Descrição e Histórico do Curso

Na última década, a educação bilíngue para surdos foi incorporada na agenda das políticas públicas brasileiras e assegurada, desde o reconhecimento da Língua Brasileira de Sinais (Libras) como língua das comunidades surdas brasileiras. Esse fato ocorreu em abril de 2002 pela Lei Federal 10.436, a Lei de Libras, que reconhece os surdos como um grupo cultural que utiliza uma língua própria, a libras, minoritária, em relação à língua oficial e majoritária do país – a língua portuguesa.
O Decreto nº 5.626/2005 que regulamenta a Lei de Libras traça importantes diretrizes acerca dos direitos linguísticos da comunidade surda, em todas as instâncias e segmentos sociais. Decorrente do fato legal, da pressão dos movimentos sociais e das contribuições de pesquisas nas áreas da linguística e educação, tem havido uma mudança nas diretrizes na formação de profissionais da educação, de modo a incorporar esses novos conhecimentos e tendências nos currículos de cursos para a formação de professores.
O Curso de Licenciatura em Letras-Libras situa-se nesse cenário político, como uma proposição para atender às diretrizes legais relativas às demandas decorrentes dos direitos linguísticos de estudantes surdos, na educação básica e superior. Precisamente, assegura-se aos estudantes a educação bilíngue, na qual a Libras figura como a primeira e principal língua de interação e instrução, seguida do português, ensinado como segunda língua – na modalidade escrita. Nesse sentido, a licenciatura em Letras-Libras constitui o lócus de formação de profissionais habilitados para o ensino de Libras como primeira e segunda língua, respectivamente para surdos e ouvintes, nos anos finais do ensino fundamental e ensino médio.
Durante todo o ano de 2011, o “Movimento Surdo em Favor da Educação e da Cultura Surda” esteve mobilizado na luta por Escolas Bilíngues para Surdos (Libras e Português-Escrito), nos termos do que determina a Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência, a Lei de Libras e o Decreto 5.626/2005. Diante dessa pressão, o Governo Federal apresentou dentre as metas do Plano “Viver sem limite”, lançado em 2011 por meio do Decreto Federal 7612 assinado pela Presidenta Dilma Roussef, a criação de 27 cursos de Letras/Libras – Licenciatura e Bacharelado e de 12 cursos de Pedagogia na perspectiva bilíngue. Por meio desse Plano, foram criadas 690 vagas para que as instituições federais de educação contratassem professores e tradutores-intérpretes de Libras.
A Universidade Federal do Paraná foi uma das IES contempladas com o lote de vagas e aportes financeiros para a implantação do Curso em 2014. Com a denominação de Licenciatura em Letras Libras – Língua Brasileira de Sinais, o curso foi criado em 2015, na modalidade presencial, em regime semestral, no Setor de Ciências Humanas.

 


NOTÍCIAS

UFPR forma primeira turma do curso de Letras Libras

A primeira turma do curso de licenciatura em Letras Libras da Universidade Federal do Paraná (UFPR) se formou na noite desta quinta-feira (14), no teatro da Reitoria. Ao todo, 14 formandos receberam o diploma das mãos do reitor da UFPR, Ricardo Marcelo Fonseca, que fez questão não só de estar presente, mas de conferir o grau sinalizando em Libras.

O curso de Letras Libras foi criado em 2015 na UFPR e é um dos poucos no Brasil ofertado em universidade pública. Foto: Sucom-UFPR

O curso de Letras Libras foi criado em 2015 na UFPR e é um dos poucos no Brasil ofertado em universidade pública. Foto: Sucom-UFPR

Para o reitor, a inclusão é um aspecto muito importante para a UFPR e a formatura dos estudantes deve ser comemorada. “Tive que aprender [Libras para fazer a outorga do grau na língua], aprendi e acho que isso tem que ser muito simbólico para mostrar que a Universidade e esses formandos estão na mesma frequência, na mesma sintonia, na mesma racionalidade”, disse.

O curso de Letras Libras foi criado em 2015 na UFPR e é um dos poucos no Brasil ofertado em universidade pública. Anualmente, são ofertadas 30 vagas na Universidade através de edital específico, fora do vestibular comum aos outros cursos.